O estilo do Professor

BySegundo Villanueva

O estilo do Professor

A minha mãe dizia quando era pequeno, que devíamos comer de tudo.

A minha mãe era sábia, pouco propensa a fórmulas mirabolantes, mágicas, dramáticas e consequentemente simplistas. Não venderia nenhum best-seller, isso está claro. Nem daria uma boa política.

Hoje o mais fácil é reduzir e dizer que comer ovo não pode, que frango sim, que comer uma maçã por dia faz bem para a saúde e que a carne vermelha produz câncer. Não tem ninguém que resista por muito tempo a um regime militar deste tipo. Tanto é que a sociedade está obrigada a gerar a cada certo tempo a informação que desdiz o que presumivelmente tinha se considerado certa há um tempo atrás.

Hoje, comer ovo não produz colesterol como comumente se entendia, e beber água demais gera disfunções na cadeia das transmissões neurológicas. A carne vermelha é boa sim, já que é rica em ferro e proteínas, e uma dieta baseada em verduras exclusivamente, traz deficiências claras e provavelmente riscos à saúde se não são balanceadas com controle e monitoramento especializado.

Aprender espanhol não tem segredos. Nem fórmulas mágicas. Não acredito em métodos. Aliás todos são mais ou menos parecidos. Mas sim em estilos.

O estilo depende de cada professor, está no sangue, e é fruto de sua cultura, formação, sensibilidade e amor pelo que faz. Isso dá para perceber na hora. Um estilo eclético, dinâmico é sempre melhor bem-vindo que um gramatical ou construtivista, ou um que se baseie no foco por tarefas, ou que empregue um nível mais baixo para que todos se sintam satisfeitos achando que progride a uma velocidade vertiginosa.

O estilo é dificilmente definível e deve de ser amplo como a dieta mediterrânea, misturado com humor, com tensão, compromisso e verdade, algo assim como um arroz com feijão que incorpora umas vezes carne seca e outras lombinho refogado.

Outras, torresminho crocante…

About the author

Segundo Villanueva administrator

4 Comments so far

Jordi CastillejoPosted on12:54 pm - jun 22, 2019

A mí también me enseñaron que hay que comer de todo y no dejarse nada en el plato. Servirse poco y si es necesario repetir.
En cuanto a nuestra profesión, eso , mucho amor, ganas e ilusión por lo que hacemos y siempre actualizarse.

Segundo VillanuevaPosted on11:25 am - jun 24, 2019

Explícame eso de no dejarse nada en el plato…

Patricia LafuentePosted on11:57 pm - ago 8, 2019

A mi también me enseñaron a no dejar nada en el plato…rsr (tenemos la misma madre?…rsrs)…
El profesor precisa reciclarse siempre y adaptarse a las necesidades vigentes, sin fórmulas….

    Segundo VillanuevaPosted on10:39 am - ago 9, 2019

    Nuestro gran desafío es que aprendan, a veces confundimos enseñar con aprender, correcto… por eso, el proceso se llama enseñanza-aprendizaje…

Leave a Reply


CAPTCHA Image
Reload Image

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.