Category Archive Programas

BySegundo Villanueva

Clube de Oratória Toastmaster em espanhol

Antigamente aprender um idioma exigia 80% de teoria e 20% de prática após um bom tempo.

Hoje os tempos mudaram, é necessário resolver questões comunicativas praticamente desde o primeiro dia de aula.  Ninguém mais quer aprender um idioma por si só.

Quer fazer negócios, viajar, escrever um mail corretamente, fazer bonito numa situação cotidiana numa cidade estrangeira…

De fato, as aulas não são mais aulas, são trocas de conhecimento, informações e crescimento coletivo.

A oratória como complemento profissional dentro das grandes empresas está crescendo de uma maneira substancial.   Hoje prevalece a capacidade de convencer e saber vender o seu produto, quantas vezes já me pediram ajuda porque um grande projeto tinha que ser apresentado na matriz em breve, e em espanhol, e os alunos estavam em pânico.

Falar não é falar, falar é falar bem, de maneira convincente e segura, tendo percepção de si mesmo e com o intuito de passar a melhor imagem institucional e pessoal para a plateia.

Na EspañaAquí vamos além, criando o primeiro encontro de oratória em espanhol Toastmaster do Brasil.

Venha, veja como é, vai além coloque em prática o seu conhecimento e vire uma pessoa muito mais confiante no seu espanhol além de recriar um networking maravilhoso.

Abraços e até,

2º  Villanueva

BySegundo Villanueva

Variedades dialetais do espanhol, é necessário tomar decisões…

Qual o formato de livro a oferecer?

Esta pergunta está vindo à atualidade uma vez que os professores que compõem a equipe de qualquer instituição provêm de várias nacionalidades.

Existe um problema de adequação mas também, não podemos ignorá-lo, político.

Se optamos por uma versão neutra corremos o risco de artificializar o espanhol, fazendo com que ele seja asséptico demais, isento do calor próprio da vida, não podemos esquecer que somos transmissores de tráfego linguístico, não só de regras e suas associações, máxime quando se faz uma seleção antinatural da variante.

Esta opção não será encontrada em lugar algum do mundo, é necessário optar, portanto.

Mas qual, uma de duas, ou tentamos um mix de indigenismos ou variantes nacionais ou regionais para contentar ao máximo número de países, sempre com o risco de não ser justo esquecendo de algum, principalmente centro-americanos, ou optamos por dedicar capítulos exclusivos para cada país, tentando ser o mais abrangente possível incluindo peculiaridades de uso características que nos remitam à vida linguística do país no momento.

Do meu ponto de vista, esta é a melhor opção porque a obra tem um princípio e um final.  Os temas podem ser distribuídos ao longo da coleção, e é isso que a EspañaAquí faz.

Escolher variedades dialectais com um princípio e um final, quer dizer, aprofundar no idioma e seu uso nos traz um desafio maiúsculo, cada professor deverá reaprender as peculiaridades não próprias da sua, o que pode gerar um certo desconforto, porém, supõe um âmbito de respeito com a diferença, que no nosso idioma, não podemos nos enganar, existe.

Na diferença encontra-se a riqueza, o professor de ELE deve optar e respeitar outros âmbitos de expressão, sem interpretar a importância de um ou de outro, fatores históricos, também econômicos e sociais fazem com que esta riqueza se encaixe nas aulas.

BySegundo Villanueva

Um futuro sem livros e alguns interrogantes

Qual o futuro do ensino de espanhol para estrangeiros, qual a importância da oferta intelectual pré-fabricada e simbolizada no livro, das grades curriculares afastadas ou com fraca comunicação com os laboratórios de ponta, como somos nós, as escolas?

De que maneira a enorme quantidade de informação que flutua pela web e as imperiosas necessidades dos nossos alunos vão determinar uma exigência lúcida em relação aos conteúdos a serem oferecidos?

Será possível deixar de lado moldes perfeitos que obedecem à teoria laboratorial dos departamentos acadêmicos das universidades e que se trasladam poderosamente ao intuito de medir esse conhecimento teórico através das cada vez mais determinantes provas de proficiência que atualmente fecham o círculo mágico do contra-ataque da teoria por encima das necessidades práticas dos alunos?

Estamos prestes a testemunhar o fim do livro, o que um aluno procura, qual o real interesse de una universidade no âmbito do negócio do ensino de ELE, o que os nossos cotidianos e diários alunos nos dizem em relação ao que querem estudar, seus objetivos e necessidades?

BySegundo Villanueva

El Grupo y su dimensión en las Clases de Español

Existen dos actitudes por parte del alumno dentro de clase,  una la de procurar sus intereses individuales, otra, sin olvidar la primera, resumida en esforzarse por construir un ethos mayor, colectivo.  Consecuentemente también dos gestiones del profesor.

Resaltar desde el inicio la necesidad de constituir, elaborar y construir a lo largo del curso una identidad superior llamada Grupo es algo necesario y vital.

Esta personalidad superior implica varios desafíos

  • respeto a la diferencia
  • solidaridad humana
  • colaboración pedagógica
  • espíritu de equipo
  • responsabilidad colectiva (al faltar a clase, el grupo como entidad se resiente)
  • objetivos comunes (e individuales también)
  • cesión, negociación y búsqueda de los intereses individuales en este nuevo ethos también, pero no exigencia de su primacía

¿Los profesores exhibimos esta premisa, la explicamos, la negociamos o aclaramos al principio del curso?

¿Los gestores contextualizan las clases de idiomas in company convenientemente, suscitan actitudes positivas que inclusive despierten reacciones favorables para un mayor entroncamiento dentro de la empresa?

El Encaje es la predisposición del alumno hacia el conocimiento, nuestro trabajo se lastra en su ausencia, los gestores de empresa y los de las academias de lengua debemos estar muy proclives para modificar influencias naturales que se manifiestan dentro de la empresa para obtener los mejores resultados.

 

BySegundo Villanueva

Las notificaciones individuales, el aprendizaje POP

Es necesario repensar la manera de aprender español.  Vivimos en la época de las notificaciones, quizá ahogados por tanta información no somos capaces de buscar nuestros intereses.  Desde el punto de vista del control, las notificaciones pueden convertirse en algo pernicioso, una estrategia para controlar nuestros hábitos de consumo.  Pero vamos a intentar ver su lado positivo cuando son generadas de dentro para afuera.

Percibo que el libro tiene los días contados, tarde o temprano volveremos a la era pre Gutenberg, el tiempo corre demás, todo se queda anticuado, se genera conocimiento a cada segundo, antes era escaso y permanecía indeleble en el autor, hoy son millares, generándolo a una velocidad increíble, la inteligencia deja obsoleto el papel diariamente…

Además, cada alumno observa un perfil de aprendizaje, se hace vital un informe individual, no me refiero a reglas prefijadas, donde cada actor desarrolle en ventanas varios ámbitos de aprendizaje, que podríamos resumir en los siguientes.

La lengua es infinita, pero hablamos con 350 palabras diferentes diariamente, para resolver situaciones cotidianas y profesionales.  Es necesario elaborar en un cuaderno una base de datos que comprima y ordene lo realmente necesario de lo que nos va a llevar mucho tiempo y dinero y nunca vamos a usar.

Es lo que constituye nuestro perfil, aquello que realmente nos falta, lo que hemos superado y en lo que nos sentimos confiados, nuestro cuadro de vocabulario práctico, una manera destacada de recordar cuáles son las situaciones de comunicación en la que nos sentimos más a gusto,

  1. Desde el punto de vista lingüístico
    1. Puntos fuertes, resueltos, aquello que uno siente fortalezas.
    2. Puntos débiles, es necesario objetivarlos, marcarlos.  Cuando uno va al psicólogo o al médico, la receta supone una orientación del camino a seguir para mejorar, no es diferente nuestra notificación del punto débil.  Y son muchos, debemos concienciarnos que cada día podemos aprender cosas nuevas, pero principalmente, tenemos la obligación de hablar mejor, con menos errores…
      1. tal
    3. Nociones funcionales aprendidas. Saludar, expresar opiniones, exponer en público, cuáles son, puedes hasta ordenarlas por árboles lógicos o elegir las que son más próximas a tu ámbito profesional.
    4. Aspecto gramatical nuevo aprendido.  Recibimos constantemente avisos de la palabra del día, etc. por qué no hacerlo nosotros después de nuestra experiencia de clase… la sensación de victoria y de rentabilidad además de sentido será inenarrable…
    5. Campos léxicos.  Hablamos con palabras y verbos, cuáles son los campos léxicos que más te interesan, negócialos en clase, recuerda que hablamos con 350 palabras, no es necesario aprender todo pero sí aquello que nos es útil, que nos va a servir en nuestra tarea profesional.

Nosotros somos capaces de notificarnos a nosotros mismos después de nuestra experiencia, claro que con el auxilio de nuestro profesor, él es un gestor de situaciones, positivas y a mejorar de cada uno de nosotros, pero se requiere la voluntad del alumno para escribir, distribuir en su cuaderno y convivir con su perfil diariamente como hacemos en todos los ámbitos de la vida que son sustanciales.

Hay dos conceptos que ya los tratamos anteriormente, son los siguientes:

  1. Pop Español.  Esto significa que cada uno aprende a su manera, no importa si tras una gran explicación gramatical o bien una asociación visual, el caso es que el aprendizaje es individual e intransferible, es necesario reverter la creencia de que los métodos sirven tanto para un chino o para un brasileño…
  2. Learning by Working.  Aprender de manera práctica sin suscitar ejemplos artificiales, opiniones enlatadas o simplemente cumplir de manera imprecisa, esto no nos ayudaría a mejorar ni a crecer, todo lo contrario.  Uno debe ser transparente, cada speech ser originado por una necesidad y siempre tener en cuenta el ámbito profesional, pues la percepción de ganancia cuando progresamos laboralmente es  una de las principales motivaciones del estudiante.

Aprender a aprender constituye un desafío porque la información, las necesidades y los tiempos son diferentes, notificarse a sí mismo requiere trabajo y responsabilidad, ayudado por el profesor no cabe otra que el éxito al final de tu curso, a nosotros nos entusiasma esta estrategia solo de pensarla …

BySegundo Villanueva

PopEspañol e Learning by Working na EspañaAquí

O que é isto, muito simples, refere-se à maneira de aprender, individual, pessoal, única e exclusiva que todos nós temos na hora de abordar um processo de incorporação, qualquer.
Nas línguas, no espanhol, no nosso caso, existem duas abordagens, uma que transita entre a língua e a fala (teoria e prática), antigamente existia um professor dotado de um amplo conhecimento, um receptor, os alunos e uma teoria transitando do primeiro ao segundo, recriando regras pré à fala (prática).  O processo prático acontecia posteriormente e a incógnita consistia em observar o processo de maturidade que cada estudante oferecia, podia transcorrer meses, anos.
Hoje a coisa está mudando, este trânsito de conhecimento é bilateral, a informação é gratuita e não patrimônio exclusivo do professor, os perfis do aluno passam a oferecer um maior protagonismo, existem muitas necessidades imediatas e inputs de informação múltiplos.
O fato de estarmos falando de comunicação, que se relaciona com informação e consequentemente com pensamento nos leva a pensar que hoje é inevitável o recurso expressivo por encima da teoria como uma arena de trasvase informativo onde na prática as pessoas consigam dizer o que pensam, escutar o que as outras têm a dizer e construir o magma de conhecimento na pura prática idiomática.
O idioma definitivamente vazou, cada um recolhe a informação e a processa do seu jeito, o idioma é pop mais do que nunca.  E também real e prático, o Learning by working nos leva a pensar que é muito mais eficaz realizar um correlato lógico com as necessidades profissionais ou individuais do aluno do que aprender conceitos e listas gigantescas de verbos criadas em um laboratório proveta longe das necessidades.
Somos Pop e gostamos de ser úteis.
BySegundo Villanueva

Programa Espanhol Inclusivo Brasil e os Cursos Blended

Existem três formatos de aula, o tradicional Presencial, o Online e o Blended.  Este último mostra-se como uma alternativa cada vez mais acorde com os novos tempos.  Quais são as vantagens?  Exatamente em que consiste?

Uma aula Blended é aquela que se desenvolve fisicamente numa sala com alunos presenciais, mas que inclui alunos Online via plataforma Skype, a diferença das aulas Online puras, onde tanto professor como aluno encontram-se através da mesma plataforma no computador.

ALUNOS QUE MORAM EM SÃO PAULO

As vantagens são muitas em relação aos alunos que formam parte da turma ou que moram na cidade de São Paulo:

1. Evita cancelamentos por causa de compromissos profissionais.  O aluno pode se incorporar na aula mesmo através do celular, em trânsito, no intervalo de qualquer reunião e pode se programar com antecedência.

2. Também ajuda nas viagens.  Sabendo o fuso horário, é perfeitamente possível programar esse encontro de qualquer lugar do mundo.

3. Combate dificuldades intrínsecas próprias à cidade, por exemplo, nos horários de pico, onde às vezes, por causa do trânsito, chuva ou qualquer outra circunstância fica difícil chegar à tempo na aula.

ALUNOS DE OUTRAS CIDADES OU ESTADOS

Para todos os que gostariam de estudar com a gente, mas moram no interior do estado ou fora do mesmo, levando em conta as dimensões continentais do Brasil

1. Permite que muitos alunos de outros estados ou que morem fora da cidade possam se incluir em quaisquer das aulas, possibilitando a realização do curso de espanhol através do programa Espanhol Inclusivo Brasil.

O PROGRAMA

Em que consiste este programa.

a. Pretende fazer com que todos os que queiram estudar espanhol no Brasil, possam fazê-lo, independentemente do lugar onde morem.

b. Devido à diferença de renda e condição social diversa do país, o programa Espanhol Inclusivo Brasil respeita o valor de mercado de cada região brasileira.

Isto inclui cidades do interior dos estados e não as capitais, onde a realidade social é similar à de São Paulo.

Significa que a España Aquí oferecerá os mesmos valores padrão praticados na localidade onde o candidato more.

O programa Espanhol Inclusivo Brasil está comprometido com a educação no Brasil, um dos principais valores que possibilitam o crescimento do país, acreditamos firmemente neste projeto.

Acreditamos em geral na educação, na cultura e na formação dos nossos jovens e líderes e por isso pretendemos ajudar com este programa a fazer realidade o sonho de milhares de brasileiros que por múltiplas circunstâncias e pela complexidade do Brasil encontram dificuldades para o acesso à educação.

Para os que moram em São Paulo, a realidade é mais simples, queremos facilita-lhes o seu cotidiano e  melhorar a sua qualidade de vida.

Contrate aqui um Curso Blended ou ligue para a gente no 11 30833334.

Photo by Steinar Engeland on Unsplash